Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Falta de vacina pentavalente persiste nos postos de saúde de Porto Alegre

Falta de vacina pentavalente persiste nos postos de saúde de Porto Alegre

Quem procura a vacina pentavalente – que imuniza crianças de até seis meses contra meningite, tétano acidental, coqueluche e hepatite B – nos postos de saúde de Porto Alegre, não a encontra. O desabastecimento ocorre desde o ano passado, quando o material fornecido pelo laboratório Biological, contratado pelo Ministério da Saúde, apresentou problemas na qualidade. Desde então, o órgão federal vem fazendo repasses menos constantes, o que tem prejudicado a imunização. Na Capital, a última leva chegou em novembro, e não foi suficiente para atender a demanda de de aproximadamente seis mil por mês.

A promessa do governo federal é normalizar a distribuição em fevereiro, e para isso aguarda a liberação por parte da Anvisa de 880 mil doses que esperam a avaliação da agência reguladora. De acordo com a enfermeira do núcleo de imunizações de Porto Alegre Renata Capponi, a falta das vacinas trouxe problemas. “Estamos sempre falando para as pessoas vacinarem, e chegam nos postos e não tem as doses”, lamenta. A pentavalente deve ser aplicada aos dois, três e quatro meses de vida da criança, com reforço a partir de um ano de idade, através da DTP, também conhecida como tríplice bacteriana, que protege contra difteria, tétano e coqueluche.

A DPT também estava em falta nos postos. A estimativa é de que o fornecimento seja regularizado a partir de terça-feira, quando as doses que chegaram em janeiro começam a ser distribuídas na Capital. Renata esclarece que, quando o estoque de vacinas for normalizado, as crianças que perderam o prazo ainda podem ser imunizadas. No posto Santa Marta, no centro da cidade, a procura é grande.

Mariana Barros, 27, esteve no local na segunda-feira acompanhada das duas filhas, uma de sete e outra de quatro anos. Mesmo não conseguindo vacinar a caçula, ela garantiu que compreendia a situação. “A gente tem que ter alguma resiliência, não me sinto tão incomodada até porque tem outras vacinas que substituem. Vou ficar incomodada se ela passar a idade e não puder tomar as doses”, avaliou.

Fonte: Correio do Povo

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado

ACESSAR O SITE