Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Câmara conclui votação de MP que garante linha de crédito para Santas Casas

Câmara conclui votação de MP que garante linha de crédito para Santas Casas

A Câmara dos Deputados concluiu na noite desta segunda-feira, 12, a votação da Medida Provisória 848/18, que regulamenta a criação de uma linha de crédito para as Santas Casas com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O intuito é socorrer os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que acumulam atualmente um terço dos leitos existentes no País. O texto segue para análise do Senado.

A votação foi permeada por um embate entre deputados da base do governo e da oposição por causa de uma outra medida provisória. A discussão só arrefeceu após um acordo entre as duas partes. Parlamentares de partidos contrários ao governo não queriam a votação da MP 844/18, que facilita a privatização de empresas públicas de saneamento básico e que seria votada na sequência. Contrários à proposta, os deputados começaram a obstruir a votação do crédito para as Santas Casas para que não houvesse tempo e quórum suficientes para iniciar a análise da outra medida.

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), propôs então um acordo para que a MP 844 não fosse lida ainda hoje. Ele convidou o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, para uma reunião nesta terça-feira, 13, para tentar fechar um entendimento entre base e oposição. O prazo de vigência da MP acaba em 19 de novembro.

Os deputados aprovaram uma emenda para que as Apaes também possam ser incluídas no rol de quem pode tomar o crédito da linha criada para as Santas Casas. Os parlamentares rejeitaram outros seis destaques e encerraram a votação.

De acordo com a proposta, 5% das aplicações anuais do FGTS serão destinadas a essa linha de financiamento, que será operada por Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). De acordo com o texto, os riscos da operação ficarão a cargo dos bancos. Segundo o Ministério da Saúde, a medida permitiria que as entidades tivessem acesso a cerca de R$ 4 bilhões ainda em 2018.

A MP foi editada em agosto pelo presidente Michel Temer, que na época afirmou que a proposta tiraria as instituições filantrópicas da “sala de emergência”. Esses hospitais exercem papel estratégico e respondem por metade das cirurgias do SUS, sobretudo as de alta complexidade. Segundo o governo, as dívidas somam cerca de R$ 21 bilhões.

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado