Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Vírus da zika que chegou ao Brasil é proveniente do Haiti, aponta estudo

Vírus da zika que chegou ao Brasil é proveniente do Haiti, aponta estudo

A zika chegou ao Brasil proveniente do Haiti, segundo indicou um novo estudo genético divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco, que rastreou os caminhos da doença. De acordo com os pesquisadores, militares brasileiros que participaram da missão de paz no país caribenho e imigrantes que vieram para o Brasil podem ter trazido o vírus. O estudo foi publicado no International Journal of Genomics.

Os cientistas já sabiam que o vírus saíra da Polinésia Francesa, que havia registrado um surto da doença em 2013. A rota percorrida, no entanto, era desconhecida. Duas outras hipóteses para a chegada da doença ao país tinham sido levantadas em estudos anteriores. Uma delas sustentava que o vírus teria entrado no país durante a Copa do Mundo de 2014. Outra hipótese indicava que a doença teria chegado durante um campeonato de canoagem que aconteceu no Rio em agosto do mesmo ano.

— Embora tenham sido publicados em revistas científicas, esses estudos tinham base em especulações, não em dados concretos — explicou o pesquisador Lindomar Pena, um dos autores do novo trabalho. — Nosso objetivo era rastrear o vírus para entender como ele chegou ao Brasil — afirma.

Para rastrear o caminho percorrido pelo vírus, os cientistas usaram todas as sequências genéticas do zika disponíveis no mundo (um total de 275), estudando, particularmente, o acúmulo de mutações.

Da Polinésia, indica o estudo, o vírus foi levado para a Oceania e para a Ilha de Páscoa, até chegar à América Central e ao Caribe. Do Haiti — que registra o vírus ancestral mais parecido com a cepa que chegou ao Brasil —, o zika entrou no país, inicialmente no Nordeste, mas também em outras regiões.

— Levantamos, então, duas principais hipóteses: a primeira delas seria a entrada pelos militares brasileiros da missão de paz no Haiti que, sabidamente, já tinha contribuído para a introdução do chikungunya. Uma outra possibilidade é de ter sido trazido por haitianos. Desde o terremoto, houve um influxo muito grande de imigrantes no país — afirmou Pena.

Segundo o pesquisador, o estudo revelou que os vírus da dengue 1, 3 e 4 e o vírus chikungunya fizeram o mesmo caminho do Sudoeste da ásia até o Brasil. O resultado comprova que a América Central e o Caribe são importantes rotas de entrada de arbovírus na América do Sul.

Trata-se de informação estratégica para a vigilância epidemiológica e para a adoção de medidas de controle e monitoramento dessas doenças, especialmente em regiões de fronteira, portos e aeroportos.

Números

Este ano, de acordo com o Ministério da Saúde, foram registrados 5.941 casos prováveis de zika em todo o Brasil, uma redução de 60,9% em relação ao mesmo período do ano passado (15.214).

Fake news  ganham força

Uma pesquisa publicada em julho deste ano, no American Journal of Health Education, mostra como informações falsas ganham mais força em crises. Análise de publicações em redes sociais sobre o vírus da zika publicadas de fevereiro de 2016 a janeiro de 2017 mostrou que rumores tiveram três vezes mais engajamento do que notícias verificadas por meio de fact-checking, ou seja, a checagem de fatos. Entre os boatos mais populares estavam aqueles que colocavam a zika como uma conspiração contra a população, como um problema de baixo risco ou que conectavam a doença ao uso de pesticidas.

Fonte: Gaucha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado