Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Traumatologia da Santa Casa de Pelotas deixa de realizar atendimentos de urgência por tempo indeterminado

Traumatologia da Santa Casa de Pelotas deixa de realizar atendimentos de urgência por tempo indeterminado

A direção da Santa Casa de Pelotas fechou nesta quarta-feira (20), por tempo indeterminado, o setor de traumatologia do hospital para atendimentos de urgência. O motivo é a falta de dinheiro para a compra de medicamentos e insumos.

Novos pacientes não estão sendo recebidos no pronto-socorro da instituição. Apenas consultas estão sendo feitas, e pacientes já internados estão sendo atendidos. As cirurgias eletivas foram canceladas temporariamente. Atualmente, mais de 800 pessoas aguardam na fila por uma cirurgia de traumatologia.

O local é o único que que presta o serviço 100% via Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade, que fica no Sul do Rio Grande do Sul. Em média, sete casos graves costumam chegar por dia ao setor. A orientação para quem estiver em uma situação de urgência é procurar o Pronto-Socorro de Pelotas.

Falta de repasses do estado

A direção da Santa Casa alega que o governo do estado não repassou parte dos incentivos de setembro, nem a totalidade de outubro, novembro e dezembro para o hospital. O atraso é de cerca de R$ 1 milhão, segundo a instituição. Deste valor, R$ 700 mil seriam destinados à traumatologia, conforme a direção.

Já a Secretaria da Saúde, por meio de nota, afirma que a dívida é de R$ 400 mil, por setembro e outubro de 2018. O governo diz que abriu uma linha de crédito para 116 Santas Casas e hospitais filantrópicos, e que a casa de saúde pelotense está entre os contemplados pelo Fundo de Apoio Financeiro e de Recuperação dos Hospitais Privados, Sem Fins Lucrativos e Hospitais Públicos (Funafir). Leia a nota na íntegra abaixo.

Sem o dinheiro, o hospital diz que não tem condições técnicas de manter o setor aberto. Ainda não há previsão de quando os serviços serão restabelecidos.

O problema no atraso de repasses por parte do governo do estado é antigo e contínuo. Em agosto de 2018, o mesmo hospital chegou a fechar 33 leitos por falta de verba. Em junho do ano passado, a realização das cirurgias traumatológicas já havia sido reduzida pela Santa Casa.

Também nesta quarta-feira, funcionários da Santa Casa fizeram um protesto em frente ao hospital. A manifestação foi por atrasos nos salários. Eles reclamam que há dois anos os valores são depositados de forma parcelada. Além disso, os funcionários também não estão recebendo vale-transporte e auxílio-creche para os filhos.

O hospital reconhece que, pela falta de repasses do governo estadual, não tem conseguido pagar em dia os salários e benefícios. Sobre o vale-alimentação, o hospital afirmou que o depósito foi feito nesta quarta, mas que em função dos trâmites bancários, pode levar dois dias para o valor estar disponível para os funcionários.

Nota do governo estadual

O Governo do Estado abriu, nesta semana, uma linha de crédito no valor de R$ 100 milhões para 116 Santas Casas e hospitais filantrópicos. A Santa Casa de Misericórdia de Pelotas está na lista dos contemplados pelo Fundo de Apoio Financeiro e de Recuperação dos Hospitais Privados, Sem Fins Lucrativos e Hospitais Públicos (Funafir). O empréstimo, junto ao Banrisul, tem carência de 12 meses e pode ser pago em 18 parcelas, com os juros bancados pelo Governo do Estado. O valor à disposição da Santa Casa pelo Funafir equivale a dois meses de fatura do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fonte: G1 RS

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado