Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Segundo ambulatório do Hospital Regional de Santa Maria será inaugurado em agosto

Segundo ambulatório do Hospital Regional de Santa Maria será inaugurado em agosto

Nesta terça-feira (9), a secretária Estadual de Saúde, Arita Bergmann, esteve no Hospital Regional de Santa Maria, em Santa Maria, e anunciou a abertura, a partir da segunda quinzena de agosto, de um segundo ambulatório na instituição. O local vai atender pacientes com problemas cardiológicos.

A novidade, porém, não coloca o hospital em funcionamento integral. Mesmo um ano depois da inauguração do prédio, que tem 20 mil m² de área construída e custou R$ 70 milhões, a abertura de leitos segue sendo uma promessa. Atualmente, a instituição funciona com apenas um ambulatório, especializado no atendimento de pessoas com doenças crônicas, como diabéticos e hipertensos.

Durante a manhã — após participar de uma reunião do Comitê Regional de Saúde — a secretária adiantou à reportagem de GaúchaZH os detalhamentos sobre a nova unidade. A projeção é de que o ambulatório de cardiologia ofereça 320 consultas por mês e até quatro exames em cada uma delas. Segundo Arita, a Região Central tem 1,8 mil pacientes que precisam desse tipo atendimento aguardando na fila.

Questionada se abertura do ambulatório nesta formatação não aumentaria a fila de espera de outras instituições, já que o Regional presta somente esse primeiro atendimento e, em caso de necessidade de tratamento, encaminha os pacientes para outras instituições, a secretária negou:

—Muito pelo contrário. Hoje, as pessoas procuram o serviço de urgência e emergência, que é a porta aberta, e acabam ocupando espaço daqueles que realmente tem necessidade de uma intervenção numa emergência. É uma forma de organização de acesso. Ou seja, irão para os serviços de maior complexidade aqueles que têm diagnóstico para este fim.

Em uma coletiva de imprensa, durante a tarde, a secretária ainda acrescentou que é importante, neste momento, prestar atendimento na Atenção Básica de Saúde:

—É importante um hospital? É. tem carência de leitos? Sim. Mas mais importante do que um hospital é focar na Atenção Básica de Saúde.

Verba

O segundo ambulatório funcionará junto ao primeiro, que já está aberto. Conforme a secretária, será feito um aditivo de serviço ao contrato já firmado com o Estado.

Ainda no ano passado, o Estado acenou com um repasse de R$ 17,3 milhões para viabilizar, em até um ano, o começo das atividades. Deste valor, cerca de R$ 11 milhões foram repassados ao Instituto de Cardiologia, que faz a gestão da unidade. Arita reforça que, para o funcionamento do novo serviço, não haverá acréscimo de valor ao contrato e também não será necessária a contratação de mais profissionais:

—Vamos potencializar a mesma equipe. É possível dimensionar a carga horária dos profissionais para atender também esses usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Para colocar o novo ambulatório em funcionamento faremos um aditivo para constar essa especialidade, mas não terá aditivo financeiro.

Após a visita ao Regional, a secretária também foi até o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm). Uma reunião entre Estado e secretários municipais da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde, em Santiago, nesta quarta-feira (10), deve definir a regulação, o fluxo e também como será a marcação dos atendimentos no novo ambulatório do Hospital Regional.

Abertura de leitos

Sobre a abertura dos 130 leitos — que foi projetada pela secretária ainda em março para ocorrer até o final do ano —, não há novas perspectivas de datas. Ela reforçou que, após a sinalização do Ministério da Saúde de liberação de R$ 50 milhões para a instituição, o Estado fez o cadastro dos equipamentos:

— Existe o recurso. O ministro (Luiz Henrique Mandetta) se comprometeu com a liberação dos R$ 50 milhões. Fizemos, então, o cadastro dos equipamentos necessários. O Ministério da Saúde pediu algumas informações complementares. E, tão logo, o ministro edite a portaria e libere o recurso, faremos o processo de licitação e de compra dos equipamentos.

O custo estimado de manutenção do complexo é de R$ 8 milhões mensais. A SES tem dito que aguarda o repasse de R$ 5 milhões da União.

Cronograma inicial

Após a inauguração do primeiro ambulatório, que ocorreu em julho do ano passado, o segundo deveria ter sido aberto em até 90 dias e contaria com os serviços médico e fisioterápicos para quem precisa de reabilitação para tratamento de sequelas. Por fim, o terceiro ambulatório, que deveria estar em funcionamento no prazo de até um ano, foi projetado para ser referência em cuidados prolongados. Ou seja, para viabilizar a recuperação clínica e funcional de pacientes afetados por sequelas ou traumas.

Idealizado ainda em 2003, o Hospital Regional contabiliza 15 anos de história. De lá para cá, diferentes projeções e prazos foram dados e não foram, em sua maioria, cumpridos.

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado