Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Saúde descarta reajuste da tabela do SUS, como reivindicam as Santas Casas

Home / Saúde descarta reajuste da tabela do SUS, como reivindicam as Santas Casas
Saúde descarta reajuste da tabela do SUS, como reivindicam as Santas Casas

Saúde descarta reajuste da tabela do SUS, como reivindicam as Santas Casas

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, descartou a possibilidade de reajuste da tabela dos procedimentos pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esta foi uma das reivindicações apresentadas pelo presidente da Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, Edson Rogatti, para ajudar a recuperar essas instituições que estão, segundo ele, sofrendo há 15 anos com falta de recursos, o que gerou dívidas de R$ 21 bilhões e levou ao fechamento de 11 mil leitos.
Ochhi, em entrevista ao final da cerimônia de assinatura de medida provisória para liberação de novos financiamentos ao setor, defendeu “melhor gestão” das Santas Casas, justificando que existem vários hospitais que “funcionam exclusivamente com leitos dos SUS e que são de excelência” e assegurou que “não há atraso no repasse de verbas do governo federal”, ressaltando que é preciso ver se Estados e municípios estão fazendo o mesmo.
Segundo o ministro, a liberação dos cerca de R$ 4 bilhões de recursos do FGTS para empréstimos às Santas Casas depende de aprovação do conselho curador do fundo, que deverá se reunir assim que o ministro do Trabalho convocá-lo para deliberar sobre o caso. Para Occhi, a expectativa é de que, publicada a medida provisória concedendo 5% do orçamento anual do FGTS para este tipo de financiamento, aprovada pelo conselho curador, em 30 dias todos os operadores poderão ir em busca desses novos financiamentos ou de troca de dívida, agora com juros da ordem de 8,6% ao ano, contra os 17% ou 18% ao ano cobrados pelos bancos privados. “Estamos falando de ter uma metade da taxa de juros, ou seja, ele terá condições de ter uma economia para novos investimentos”, observou.
Occhi informou que o FGTS “terá garantia do retorno das operações de empréstimo” porque o risco será “do agente financeiro”, representado pelo BNDES, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Ressalvou, no entanto, que, na verdade, a garantia do pagamento aos bancos e FGTS é a consignação. “A garantia para diminuir os riscos dos agentes financeiros é a garantia da consignação do próprio repasse do SUS, do fundo nacional de saúde às Santas Casas e entidades filantrópicas. A inadimplência dessas operações é muito baixa”, assegurou o ministro, ao explicar que os recursos poderão ser usados para custeio, pagamento de fornecedores, aquisição de equipamentos e até para rolar dívidas anteriores. O ministro da Saúde informou também que o financiamento terá características que já existem hoje: não tem carência, são 10 anos o prazo máximo de pagamento e consignação de até 35% do faturamento do hospital, porcentual previsto em uma resolução do Ministério da Saúde.
O presidente da Confederação das Santas Casas comemorou a solução encontrada pelo governo. “Isso aqui é só um respiro, um fôlego para que as Santas Casas possam manter as portas abertas. Queremos tomar fôlego e respirar. Estamos há anos esperando isso. Se hoje as Santas Casas fecharem as portas, o SUS tá falido”, declarou ele, explicando que 51% dos atendimentos do SUS são feitos pelas Santas Casas, e que, nos casos de alta complexidade, chega a 70%. Segundo ele, a maioria das Santas Casas opera no vermelho.
O ministro Occhi, por sua vez, disse que os cinco hospitais que atendem exclusivamente ao SUS e não enfrentam problemas com recursos irão ajudar a melhorar a eficiência das Santas Casas e entidades filantrópicas, oferecendo apoio em gestão. “É importante que tenhamos uma melhor gestão, uma melhor informatização do sistema”, resumiu o ministro.
Fonte: Uol

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado