Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Restrições de atendimento no Interior aumentam demanda no Hospital Conceição, na Capital

Restrições de atendimento no Interior aumentam demanda no Hospital Conceição, na Capital

O atendimento parcial em hospitais do interior do Estado e da Região Metropolitana causado pela falta de repasses do governo estadual começa a afetar o atendimento em Porto Alegre. Nos últimos dias, aumentou a demanda de atendimentos do Hospital Conceição. De acordo com o gerente de Interunidades de Emergências, Alexandre Bessil, 40% dos atendimentos na instituição são de pessoas de fora da Capital.

Ele cita que as restrições nos três hospitais de Canoas, e em outras unidades da Região Metropolitana, como em São LeopoldoNovo Hamburgo Sapucaia do Sul, têm trazido um número maior de pacientes buscando atendimento. Um levantamento preliminar aponta para um acréscimo de 10% no número de atendimentos. Segundo Alexandre Bessil, mesmo com o aumento, o hospital tem se adequado para atender as pessoas dentro do limite possível.

– A gente tem dificuldade, claro. Nossa demanda da Região Metropolitana é grande e, com as restrições em outros hospitais, isso acaba nos afetando. Estamos nos adequando dentro do limite para atender as pessoas com segurança – disse.

As direções do Hospital de Clínicas e da Santa Casa informaram que ainda não há reflexos nos atendimentos por causa das restrições em outros hospitais.

Levantamento feito na tarde desta quinta-feira (29) pela reportagem aponta que 22 hospitais do Interior e da Região Metropolitana seguem com atendimento parcial. A maioria atende apenas casos de urgência e emergência e cancelou consultas e exames eletivos. As direções de todos eles informaram que seguem com dificuldades financeiras e que não receberam o dinheiro devido pelo governo.

A Secretaria Estadual da Saúde informou que repassou, na última semana, R$ 20 milhões referentes ao mês de outubro para todos os hospitais que recebem por serviços de alta e média complexidade – o número ultrapassa os 200. No entanto, o governo não tem prazo para pagar toda a dívida que tem com os municípios e hospitais na área da saúde.

De acordo com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), a dívida do governo com os municípios na área da saúde ultrapassa os R$ 500 milhões.

Confira lista de hospitais com restrição de atendimentos

  • Boa Vista do Buricá – Associação Hospitalar Boa Vista
  • Camaquã – Hospital  Nossa Senhora Aparecida
  •  Canguçu –  Hospital Canguçu
  • Canoas – Hospital de Pronto Socorro, Hospital Universitário e Hospital Nossa Senhora das Graças
  • Cruz Alta – Hospital  São Vicente de Paulo
  • Dom Feliciano –  Hospital São José
  • Encruzilhada do Sul – Hospital Santa Bárbara
  • Ijuí –  Hospital de Caridade
  • Itaqui –  Hospital São Patrício
  • Lagoa Vermelha –  Santa Casa de Lagoa Vermelha
  • Montenegro –  Hospital Montenegro
  • Panambi –  Hospital Panambi
  • Rio Grande – Santa Casa de Rio Grande
  • São Leopoldo – Hospital Centenário
  • São Lourenço do Sul – Santa Casa de São Lourenço do Sul
  • Sapucaia do Sul – Hospital  Getúlio Vargas
  • Taquara – Hospital Bom Jesus
  • Novo Hamburgo  – Hospital Municipal de Novo Hamburgo
  • Uruguaiana – Santa Casa de Uruguaiana
  • Vacaria – Hospital Nossa Senhora da Oliveira

Hospitais que voltaram a atender normalmente

  • Osório – Hospital  São Vicente de Paulo
  • Rosário do Sul –  Hospital Nossa Senhora Auxiliadora

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado