Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Obesidade infantil vira alvo de campanha do Ministério da Saúde

Obesidade infantil vira alvo de campanha do Ministério da Saúde

Problema de saúde grave em qualquer idade, a obesidade é especialmente preocupante na infância – pode determinar, desde cedo, uma vida cercada de ameaças de doenças, pobreza nutricional e limitações, comprometendo todo o desenvolvimento, até a idade adulta.

O número crescente de crianças acima do peso motivou o governo federal a lançar a 1ª Campanha Nacional de Prevenção da Obesidade Infantil no último dia 13. Uma nova versão do Guia Alimentar Para Menores de 2 Anos, disponível gratuitamente na internet, também foi divulgada. O objetivo é conscientizar famílias e cuidadores sobre a importância de hábitos saudáveis desde o nascimento.

O cenário é alarmante. Entre crianças de até cinco anos, 15,9% estão acima do peso ideal. Alimentos ultraprocessados – produzidos com adição de sal, açúcar, óleos, gorduras e substâncias sintetizadas em laboratório –, diretamente associados ao aumento de peso, são os grandes vilões da alimentação saudável. De acordo com o Ministério da Saúde, o consumo desses produtos é cada vez mais precoce no país. Dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) de 2018 demonstram que praticamente a metade (49%) das crianças entre seis e 23 meses havia ingerido produtos desse tipo no dia anterior ao do levantamento. Quanto a bebidas adoçadas, na mesma faixa etária, um terço (33%) das crianças consumira algum produto desse tipo; o número dobrou no grupo dos cinco aos 10 anos: 68% das crianças tinham tomado algo com açúcar na véspera da pesquisa. Macarrão instantâneo, salgadinhos de pacote ou biscoitos estavam presentes na alimentação de 62% das crianças de cinco a 10 anos, no dia anterior ao da enquete, conforme o Sisvan.

A criança obesa vai virar um adulto obeso, e o adulto é mais difícil de manipular do que a criança. Todos precisam aprender a ter responsabilidade com a sua saúde. A obesidade é uma doença genética. Não tem excesso de peso quem quer, e sim quem pode, e isso facilita a perpetuação do problema. O obeso é um azarado com uma genética determinada.

MÁRIO KEHDI CARRA

PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA OBESIDADE E DA SÍNDROME METABÓLICA (ABESO)

Com inserções na TV e no rádio, outdoors, banners e cards para internet e anúncios em revistas, a campanha, que será veiculada até 31 de dezembro, está centrada em três pontos: promoção da alimentação adequada e saudável, mais atividade física e menos tempo de tela (televisão, celular, computador, videogame). A regra de ouro da iniciativa é “descasque mais e desembale menos”, ou seja, pais e responsáveis devem preferir oferecer opções in natura, como uma fruta na sobremesa, a algo pobre em termos nutricionais (um chocolate ou um pacote de biscoitos recheados). Exercícios devem ser incentivados desde cedo. Engatinhar, para quem nunca parou para pensar sobre isso, já é uma das primeiras possíveis atividades físicas. E brincadeiras que acabaram sendo deixadas de lado, devido à violência das ruas ou ao apelo irresistível dos eletrônicos, precisam ser retomadas. Dessa forma, o benefício é de mão dupla, pois o envolvimento em jogos com bola, passeios de bicicleta ou patins acaba também contribuindo para a diminuição do tempo que suga a atenção na internet.

O azar da genética e  os fatores ambientais

Presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), o endocrinologista Mário Kehdi Carra comemora o esforço em prol de um problema tão sério e subestimado.

— A criança obesa vai virar um adulto obeso, e o adulto é mais difícil de manipular do que a criança. Todos precisam aprender a ter responsabilidade com a sua saúde — afirma Carra. — A obesidade é uma doença genética. Não tem excesso de peso quem quer, e sim quem pode, e isso facilita a perpetuação do problema. O obeso é um azarado com uma genética determinada.

Fatores ambientais contribuem para que o indivíduo sofra com pouco ou muito excesso de peso. O índice de massa corporal (IMC), que considera peso e altura, é uma medida internacional de classificação para os adultos, em uma escala que vai desde a desnutrição até a obesidade mórbida. Quando os pais são obesos, alerta o médico, o risco de que o filho também seja é de 70%.

— O jeito de cuidar é com informação. Criança, se você educar, aprende. O adulto dificilmente muda o comportamento — observa Carra.

Se os pais são obesos, o risco de que o filho também seja é de 70%. A criança obesa vai virar um adulto obeso, e o adulto é mais difícil de manipular do que a criança. Criança, se você educar, aprende. O adulto dificilmente muda o comportamento.

MÁRIO KEHDI CARRA

PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA OBESIDADE E DA SÍNDROME METABÓLICA (ABESO)

Resistir a tentações em uma sociedade extremamente consumista, bombardeada por convites gordurosos e açucarados de todo ordem, não é simples. A comida propagandeada por aí tem sabor bom, admite Carra, do contrário não venderia tanto. O problema é o comprometimento do organismo com escolhas tão precárias – ou até mesmo nulas – em nutrientes.

— Antigamente, a mãe preparava arroz, feijão, bife, saladinha e uma laranja de sobremesa. Hoje, ela compra pizza ou lasanha congeladas — atesta o médico.

Zuleika Halpern, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem), lida há anos com obesidade infantil. Trata-se de uma luta contínua. A médica acredita ser fundamental focar na qualidade alimentar, especialmente, durante a primeira infância (até os seis anos).  O estímulo à amamentação também é louvável, ainda que ela duvide do alcance de uma campanha institucional nesses moldes. Para a especialista, a TV, e mais especificamente as novelas, seriam o melhor canal de veiculação.

— As pessoas não sabem como comer bem, e ninguém as ensina. A indústria alimentícia é cruel, não faz nada pensando no bem-estar de quem quer que seja. A indústria quer vender, vender, vender. A mãe, achando que se trata de um produto saudável que pode facilitar a vida dela, acaba optando por uma papinha pronta, mas é um alimento industrializado. As crianças estão sendo expostas a isso desde muito cedo — lamenta Zuleika.

Classificação dos alimentos

  • In natura: originários diretamente de plantas ou animais, esses alimentos não sofrem alterações na indústria antes do consumo.
  • Minimamente processados: passam por mínimas interferências, como processos de limpeza para remoção de partes não comestíveis ou indesejáveis, fracionamento, moagem, secagem, fermentação, pasteurização, refrigeração, congelamento e processos similares que não envolvam agregação de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias ao alimento original.
  • Processados: alimentos in natura ou minimamente processados que recebem adição de sal, açúcar, óleo ou vinagre para torná-los duráveis e mais agradáveis ao paladar. Exemplo: conservas em salmoura, frutas preservadas em açúcar, carnes salgadas ou defumadas, queijos e pães.
  • Ultraprocessados: produtos com acréscimo de sal, açúcar, óleos, gorduras, proteínas de soja, do leite, extratos de carne, além de substâncias sintetizadas em laboratório a partir de alimentos e de outras fontes orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e aditivos para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes). Exemplos: refrigerantes, pó para refresco, bebidas adoçadas, sorvetes, chocolates, cereais matinais, iogurtes com sabor e do tipo petit suisse, temperos instantâneos para carnes, congelados prontos para aquecer, empanados, macarrão instantâneo.

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado