Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Mobilização em Canoas reúne centenas de funcionários da saúde

Mobilização em Canoas reúne centenas de funcionários da saúde

Centenas de trabalhadores da área da saúde se reuniram nesta quarta-feira, no saguão do Hospital Universitário (HU) de Canoas, em ato promovido pela prefeitura. A secretária de Saúde, Rosa Maria Groenwald, falou sobre as dificuldades enfrentadas pela gestão municipal em virtude de atrasos de repasses do governo gaúcho. Segundo ela, a dívida do Estado com o município chegará aos R$ 37 milhões até o final de novembro. “Não só Canoas está sofrendo com este eminente colapso na saúde. O alerta de que atendimentos poderiam ser suspensos no município já havia sido dado ao Estado. Isso não aconteceu de uma hora para outra. Além disso, já havíamos sinalizado à secretaria estadual sobre o excesso de municípios atendidos pela pactuação.”

A secretária ressaltou a importância da união dos trabalhadores, órgãos de classe e demais entidades ligadas à área da saúde, afirmando que a mais prejudicada nesse contexto é a população. “Precisamos exigir do Estado o que lhe é de responsabilidade, que são os repasses, os salários e o atendimento à população. Nosso papel aqui é prestar assistência. Com a pactuação, Canoas atende 156 municípios, o que representa 44% de atendimentos a especialidades da população do Estado. É uma superpopulação”, afirmou.

A enfermeira do HU Amanda Paris disse que a situação é pior do que parece. “Não tem salário, não tem repasse, não tem insumos. As consultas estão sendo desmarcadas e outros setores também devem parar. O sentimento de quem trabalha com a saúde é de dor!” O técnico em Enfermagem e socorrista do Samu Paulo Silvano diz que o quadro é de extremo caos. “Nossa dificuldade é em largar os pacientes nos hospitais, por falta de atendimento ou por lotação. Uma de nossas macas está retida em hospital com paciente.”

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) informou que, para suprir a demanda dos hospitais que suspenderam os atendimentos, está em negociação com os municípios que continuam funcionando integralmente para que recebam parte desse público e que está buscando soluções específicas para as referências que suspenderam os atendimentos.

Segundo a SES, a Secretaria Estadual da Fazenda deverá liberar recursos correspondentes aos valores de uma competência (mês) tão logo a arrecadação do Estado permita. A expectativa é que ocorra na primeira quinzena de dezembro. “Como são mais de 240 hospitais que prestam atendimento ao Sistema Único de Saúde, não estamos individualizando os valores que cada instituição tem a receber.”

No último dia 14, a prefeitura suspendeu atendimentos, consultas e exames eletivos no HU e no Hospital de Pronto Socorro. Somente urgências e emergências são atendidas, até que o Estado regularize os repasses. Nesta quinta, ocorre assembleia geral intersindical para debater, além da crise na saúde, atrasos de salários e benefícios. O encontro, convocado pelo Sindisaúde em conjunto com Sergs, Sinttargs e Sindifars, será às 20h em frente ao Hospital Universitário.

Fonte: Correio do Povo

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado