Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Médicos usam impressora 3D para reconstituir o crânio de um paciente em Santa Maria

Médicos usam impressora 3D para reconstituir o crânio de um paciente em Santa Maria

édicos da Universidade Federal de Santa Maria, na região Central do estado, usaram uma impressora 3D para reconstituir o crânio de um paciente que perdeu quase a metade do osso da cabeça por causa de um acidente de trânsito.

“Era uma tentativa heróica de salvar a vida dele, porque ele estava quase sem vida ali. Na hora foi complicado. Os médicos deram 48 horas para ele ter morte cerebral ou dar uma melhorada, e a gente naquela angústia”, conta a esposa do paciente Giane Goularte de Jesus.

A fratura era no lado esquerdo no cérebro, o que preocupou ainda mais os médicos. “O hemisfério esquerdo, na grande maioria dos pacientes, é o hemisfério dominante, onde a gente tem a área primária da fala, é o hemisfério da razão, o cognitivo. E o hemisfério direito é o mais abstrato, que a gente usa para arte, música. Então, a maioria das cirurgias é bem tolerada na direita, mas não tão bem tolerada na esquerda”, disse o neurocirurgião Diogo Trevisan Silveira.

Os médicos explicam que, na maioria dos casos, se usa um tipo de cimento ósseo, que é como uma massinha de modelar. Essa pasta serve para cobrir defeitos pequenos. Como a área fraturada era grande, não tinha como moldar o implante direto no paciente. Por isso, os médicos e professores usaram uma impressora 3D para criar uma peça que serviu de molde para o cimento ósseo.

A peça levou 30 horas para ficar pronta e o custo de material foi de R$ 45. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)A peça levou 30 horas para ficar pronta e o custo de material foi de R$ 45. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A peça levou 30 horas para ficar pronta e o custo de material foi de R$ 45. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado