Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Instituto da Criança com Diabetes completa 15 anos e promove nova corrida para vencer a doença

Instituto da Criança com Diabetes completa 15 anos e promove nova corrida para vencer a doença

Ana Laura Ferrari da Cunha, 11 anos, conta com detalhes o diagnóstico que recebeu aos sete anos. A menina de São Leopoldo estava comendo bastante, mas emagrecia de forma espantosa. O resultado foi certeiro: diabetes tipo 1.

— Eu sabia mais ou menos o que era diabetes, sabia que ia ter que tomar injeção para não ficar internada — lembra a menina.

No dia seguinte ao diagnóstico, ela já começou a frequentar o Instituto da Criança com Diabetes (ICD), em Porto Alegre. Agora, sabe tudo sobre a doença. Aprendeu que pode comer de tudo, mas com moderação. Em oficinas com nutricionistas, soube como contar os carboidratos da comida e equilibrar com as doses de insulina — que ela e a família se revezam para aplicar.

— É uma doença séria, mas muito fácil de viver.  O instituto foi nosso porto seguro, aprendemos tudo sobre a doença e até hoje ela ama vir aqui — completa a mãe de Ana Laura, Alessandra Loeblein Ferrari.

Ana Laura é uma das 3,7 mil crianças, adolescentes e jovens adultos do Estado atendidos atualmente pelo ICD, que completa 15 anos em 2019 e organiza a 21ª Corrida para Vencer o Diabetes no próximo domingo, dia 26. Todo o atendimento na entidade é gratuito por intermédio do Sistema Único de Saúde (SUS), com convênio com o Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Os pacientes são encaminhados por médicos e secretarias municipais de Saúde.

A entidade privada sem fins lucrativos trabalha para prevenir as complicações decorrentes da doença e já apresenta resultados importantes, como a redução de 92,5% nas internações hospitalares dos pacientes na comparação com o início das atividades, em 2004. O presidente do ICD, Balduino Tschiedel, explica que o grande diferencial está neste enfoque educativo. No local, pacientes e familiares assistem a vídeos explicativos e, depois, há debates sobre todos os temas que envolvem a doença. O instituto oferece ainda aulas de crossfit, leitos em um hospital dia e Hot Line, uma linha telefônica para atendimento aos pacientes, familiares e cuidadores.

— O ICD é um serviço que inovou muito, porque dá muita atenção à questão da educação para diminuir internações por situações agudas e por complicações crônicas do paciente, seja um problema renal ou ocular — afirma Tschiedel.

Fonte: Gaúcha ZH

 

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado