Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

HPS de Canoas deixa de receber pacientes do Samu vindos de outros municípios

HPS de Canoas deixa de receber pacientes do Samu vindos de outros municípios

O Hospital de Pronto-Socorro (HPS) de Canoas deixou de receber pacientes com risco de vida provenientes de outras cidades. Conforme a prefeitura, o encaminhamento feito pelo Samu pelo programa Vaga Zero deixou de ser feito devido à superlotação no sistema de saúde do município.

O comunicado foi enviado nesta segunda-feira (20) à Secretaria Estadual de Saúde. O objetivo da prefeitura é reorganizar o sistema de saúde.

— Nós tomamos esta medida para reorganizar nosso sistema de saúde e para proteger as pessoas, tanto os moradores de Canoas quanto os de fora. Neste ano, o problema da saúde está pior, e a gente está fazendo o que pode para não deixar a população desassistida. Este grupo é bastante sério, e as pessoas podem ficar bem tranquilas, porque estamos fazendo o nosso trabalho — afirma a secretária de saúde, Rosa Groenwald.

O HPS, o Hospital Universitário e as Unidades de Pronto-Atendimento da cidade passaram a receber um aumento expressivo no número de pacientes nos últimos dias devido à suspensão de atendimento no Hospital Nossa Senhora das Graças, que fechou a emergência na última quarta-feira (16) por conta da superlotação. São 14 pacientes para 9 vagas na unidade de cuidados especiais, 26 pacientes para oito vagas na sala de observação e 30 pacientes para 20 vagas na unidade de internação rápida. Segundo o  diretor do hospital, Marco Antônio Figueiró, o hospital também enfrenta dificuldades financeiras e greve de médicos – os profissionais de oftalmologia, traumatologia e urologia estão paralisados desde a última semana por falta de pagamento.

Além do problema no Graças, o inverno rigoroso também é apontado como causador do aumento da procura nas unidades. A suspensão do atendimento obrigou a prefeitura a criar a Comissão de Gestão de Crise da Superlotação dos Hospitais. Com o trabalho, as equipes de saúde das UPAs foram reforçadas com sete médicos, o Hospital Universitário fez uma reestruturação e ampliou a capacidade em 16 leitos e o HPS implementou uma nova sala para atendimentos clínicos e ambulatoriais. O HPS, no entanto, também deixou de receber moradores de outras cidades encaminhados pelo Samu com risco de vida.

A comissão está tentando fortalecer o atendimento no Hospital Universitário, Hospital de Pronto-Socorro e UPAs Caçapava, Niterói, Boqueirão, Rio Branco e do Idoso. O grupo reúne representantes de cada uma das instituições.

GaúchaZH entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde para questionar sobre a restrição no atendimento do HPS pelo programa Vaga Zero e aguarda retorno.

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado