Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Concluído desde 2015, Hospital de Guaíba não tem data para abrir

Concluído desde 2015, Hospital de Guaíba não tem data para abrir

Em meio a promessas não cumpridas, falta de recursos e em uma estrutura praticamente pronta, o Hospital de Guaíba resume-se a corredores vazios, poeira, aparelhos encaixotados e cheiro de salas fechadas. O Diário Gaúcho acompanha a situação do local desde julho de 2015. A mais recente promessa, feita em julho do ano passado, era de que pelos menos a maternidade seria aberta no primeiro semestre de 2018. Não foi. Agora, a prefeitura admite: não há previsão para que o hospital abra as portas.

O prédio tem capacidade de 72 leitos hospitalares, bloco cirúrgico e ala de internação. Atualmente, o setor de radiologia, na área frontal, é o único em funcionamento.

Assim, os moradores de Guaíba e região seguem sem um hospital que seja 100% SUS, e as gestantes precisam percorrer mais de 30 quilômetros até alguma maternidade em Porto Alegre para terem os seus filhos pelo sistema público. A população conta com dez postos de saúde e uma unidade de Pronto-Atendimento. A prefeitura explica que o pronto-atendimento recebe também pacientes das cidades da redondeza, por isso há uma urgência para a abertura do hospital.

Tadeu Vilani / Agencia RBS

Equipamentos em caixas fechadasTadeu Vilani / Agencia RBS

Falta de recursos

Para, pelo menos, a maternidade abrir, é necessária uma reforma do prédio, com exigências feitas pela Vigilância Sanitária, ainda em 2015. Na época, foram 58 modificações identificadas, como colocação de torneiras automáticas nos sanitários e reconstrução da área de esgoto. As reformas custariam em torno de R$ 3 milhões. O valor já investido pela prefeitura e Estado para a construção da estrutura soma R$ 5,1 milhões.

O secretário da saúde de Guaíba, Jocir Panazzolo, enfatiza que a prefeitura não tem como custear os gastos. Nem para as adequações, tampouco para manter o hospital depois de aberto.

– A prefeitura não tem recursos próprios. Estamos em tratativa com o Estado para fazer uma contratualização, para que assumam parte dos custos – diz Jocir.

Para manter a maternidade aberta precisariam ser desembolsados R$ 400 mil mensais. Já para hospital completo, a necessidade seria de mais de R$ 1,6 milhão mensais.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirmou que ocorreram duas reuniões com a gestão de Guaíba, na qual ficou combinado que o município enviará um plano operativo com o perfil do estabelecimento e procedimentos que serão oferecidos ao SUS. A SES aguarda o retorno da documentação.

Tadeu Vilani / Agencia RBS
Leitos apenas na promessaTadeu Vilani / Agencia RBS

Maternidade faz falta

Guaíba não tem uma maternidade que atenda pelo sistema público desde 2009, quando a Justiça fechou a única que havia na cidade, no Nossa Senhora do Livramento. Cruzar a ponte para dar à luz em Porto Alegre é a realidade das mulheres que são atendidas pelo SUS. A maternidade do Hospital de Guaíba seria um alívio.

A demora para a marcação das consultas do pré-natal pelo SUS fez Tamyris Silveira de Souza, 23 anos, optar por fazer o acompanhamento pelo sistema privado. Porém, vai ganhar a filha pelo sistema público, ou seja, precisará ir até Porto Alegre. A previsão é de que Helena nasça em outubro.

– Corro o risco de ter minha filha na metade do caminho. Ou, de ter as contrações, chegar lá, a bebê não nascer e me mandarem de volta para casa, e eu ficar em um vai e vem – aponta Tamyris.

Uma adolescente de 15 anos precisou percorrer os mais de 30km até Porto Alegre em meio à greve dos caminhoneiros, em maio.

– Faltou gasolina e tivemos que ficar duas horas na fila do posto de gasolina para abastecer. Cheguei no hospital já ganhando meu filho – recorda.

 

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado