Associado, acesse sua conta

conteúdo exclusivo para você.

Administração do Hospital Casa de Saúde diz que pode suspender atendimentos na maternidade

Administração do Hospital Casa de Saúde diz que pode suspender atendimentos na maternidade

O Hospital Casa de Saúde, de Santa Maria, se vê frente a uma preocupante situação: a possibilidade de suspensão dos atendimentos nos serviços de maternidade, que atendem usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de mais de 30 municípios do centro do Estado, devido à delicada situação financeira da instituição.

A direção do hospital – que é de propriedade do município, mas tem a gestão feita por meio de um convênio com a Associação Franciscana de Assistência à Saúde (Sefas) – afirma que faltam recursos para contratar mais pediatras para o setor de maternidade. Hoje, o hospital tem apenas um pediatra que atua em regime de sobreaviso.

— Precisaria ter uma equipe de plantão presencial de pediatras, que estamos nos estruturando para ter. Esse plantão teria que ser formado por sete a oito pediatras e não temos dinheiro suficiente para isso. (Hoje), há o risco real de a gestante ter o bebê e não ter o médico (pediatra) aqui —destaca Rogério Carvalho, administrador do Casa de Saúde.

Carvalho diz que o Estado faz repasses mensais de R$ 65 mil para custear os serviços de maternidade. O que, conforme ele, não paga nem a metade dos custos para realizar os atendimentos. Seriam necessários mais R$ 170 mil para custear os serviços na integralidade, segundo o administrador. Diante do cenário, para bancar os atendimentos, o Casa de Saúde tem aumentado o endividamento próprio, que já chega a R$ 5 milhões e é referente a financiamentos bancários.

— O repasse que recebemos não paga nem o plantão obstétrico. Sem falar no restante da equipe. O Estado sabe da situação (financeira do Casa) e estamos há mais de ano conversando e, infelizmente, não temos como conversar mais. É algo que ou nós resolvemos, ou teremos que deixar de prestar o serviço — alerta Carvalho.

Estrutura

A maternidade do hospital tem 18 leitos e, quando atua com todos os profissionais, chega a atender de 70% a 80% da capacidade. A preocupação, de acordo com Carvalho, é que, sem recursos financeiros e sem a contratação de mais profissionais, o Casa de Saúde siga sem conseguir dar toda retaguarda necessária para atendimento de baixo risco. Assim, o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm) – outra referência, por meio do SUS, em obstetrícia – seguirá superlotado, na avaliação do administrador da Casa de Saúde.

Histórico

Em novembro do ano passado, a maternidade do Hospital Casa de Saúde fechou por quatro meses, após os médicos obstetras suspenderem os serviços, já que estavam com os salários atrasados. À época, o hospital alegou que não fazia o pagamento porque o governo do Estado não estava realizando os repasses à instituição em tempo hábil.

Universitário superlotado

Há quase um mês, o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm) enfrenta superlotação no Centro Obstétrico e na UTI Neonatal. Desde o dia 28 de setembro, a instituição atende apenas gestantes de alto risco e tem a UTI Neonatal fechada. Na manhã desta sexta-feira (19), o Centro Obstétrico tem 20 gestantes internadas, 10 a mais do que a quantidade de leitos. Além disso, o setor conta com um recém-nascido no local, já que a UTI Neonatal – também superlotada – tem dois pacientes a mais internados e não tem condições de receber mais bebês.

— As mulheres chegam aqui porque não tem para onde ir. Peregrinam em diferentes hospitais, não são atendidas e acabam batendo na porta já na fase de nascimento e não temos como deixar elas abandonadas. É um ciclo vicioso que não interrompemos nunca, porque o responsável por isso não toma uma atitude, parece que não tem zelo nenhum pelos cuidados das gestantes — destacou a gerente de atenção à Saúde do Husm, Soeli Guerra, em uma crítica ao governo do Estado.

De acordo com Soeli, o Husm tem tentado buscar alternativas junto ao Estado e não obtém retorno. A situação, conforme ela, é crítica e preocupante, já que pode trazer riscos, como maior número de infecções aos pacientes:

— Ele (Estado) simplesmente não responde aos nossos comunicados, nossos pedidos de socorro. O que fazemos é informar no sistema e suspender a recepção de pacientes.

O Husm – que é administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) e recebe recursos da União – é referência para 45 municípios das regiões central e fronteira-oeste. Soeli reitera que, na última quinta-feira (18), um novo comunicado foi emitido pela instituição reforçando as medidas já adotadas.

Sem dinheiro

Questionado por GaúchaZH sobre a situação dos dois hospitais, o titular da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde (4ª CRS), Roberto Schorn, disse que há tratativas na tentativa de resolver o problema e que ainda não há solução, já que o maior entrave, conforme ele, é a questão financeira:

— Estamos em tratativas com os hospitais. O problema acaba sempre em dinheiro. Os hospitais querem mais dinheiro, e o Estado não tem para bancar. Já pedi audiência em Porto Alegre para pedir ajuda.

A reportagem também questionou a Secretaria Estadual de Saúde (SES) sobre possíveis alternativas e incrementos nos repasses ao hospital. A assessoria de imprensa da SES se limitou a encaminhar o seguinte texto:

“Dentro do Plano de Regionalização do Parto, o Hospital Universitário de Santa Maria, além dos partos de risco habitual, deve atender todos os casos de alto risco. No caso da Casa de Saúde o hospital é referência para partos de risco habitual. Quanto à UTI, os casos são cadastrados na Central Estadual de Regulação, que recebe as solicitações e busca leitos em outros hospitais onde houver disponibilidade.”

Fonte: Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado